Na hora de guardar dinheiro para conquistar um objetivo, são dois os caminhos mais populares escolhidos pelos brasileiros: poupar ou investir.

Apesar da popularidade, boa parte dos consumidores não é capaz de explicar a exata diferença entre os dois, e podem até pensar que são a mesma coisa — mas não é bem assim!

Tanto a poupança quanto o investimento são boas opções para aplicar seu dinheiro, a depender do seu objetivo. Cada uma delas tem seus prós e contras, e é importante que você os conheça para tomar uma decisão informada.

O que é poupar?

O ato de poupar é um costume simples e muito antigo dos seres humanos. Significa reduzir ou controlar o consumo de um recurso (normalmente, dinheiro) para guardar parte dele de forma que acumule.

Isso quer dizer que quando você guarda dinheiro em um cofrinho ou até na sua conta-corrente, está poupando! 

Mas, caso você precise guardar uma grande quantia em dinheiro ao longo de um bom tempo, o cofrinho pode não ser o melhor lugar para suas economias. Isso porque o dinheiro guardado não gera rendimentos, e pode ser desvalorizado pela inflação enquanto está parado.

Mas isso não significa que quem deseja poupar grandes quantias não tenha opções seguras, existem diversas maneiras de guardar o seu dinheiro sem correr riscos.

Apesar disso, ainda há outros fatores a serem considerados antes de apenas guardar o seu dinheiro, ao invés de investi-lo.

Prós e contras de poupar

É muito simples guardar dinheiro, seja ele em espécie ou em algum banco. Não requer nenhum tipo de conhecimento prévio, você só precisa deixar o valor parado. 

Essa simplicidade favorece a opção da maioria dos brasileiros por esse tipo de investimento.

Além disso, transmite segurança ao usuário, que pode acessar o montante facilmente e sempre sabe onde o dinheiro está.

Apesar das facilidades, você ainda precisa considerar outros fatores ao decidir se vale a pena poupar sem investir. Isso porque nem sempre terá um rendimento líquido positivo.

Em uma poupança bancária, terá apenas as taxas de juros. Já guardando o dinheiro em uma conta comum ou em espécie, a depender do tempo sem uso, o seu dinheiro perde valor.

Quando vale a pena poupar o dinheiro?

A agilidade que oferece na movimentação e resgate dos recursos torna-a excelente para fundos e reservas de emergência. Você poderá sacar dinheiro do saldo da poupança ou realizar transações a partir de um cartão de débito.

Outro bom motivo para aplicar dinheiro na poupança é juntar uma determinada quantia para realizar um investimento. 

Mas não esqueça de fazer as contas para garantir que o dinheiro aplicado está, de fato, rendendo, e não sendo desvalorizado.

O que é investir?

Você poupa para acumular seu dinheiro, certo? Mas para multiplicá-lo, é necessário aplicá-lo em outros tipos de investimento além da caderneta de poupança. 

Apesar do que pensam muitas pessoas, existem muitos tipos de investimento além da conhecida compra e venda de ações.

Os chamados investimentos pré fixados oferecem ao investidor um lucro maior do que poupar o dinheiro em outros métodos, oferecendo a mesma segurança. 

Essa segurança vem das taxas predefinidas desse tipo de investimento. Isso significa que, ao investir seu dinheiro, você já pode calcular exatamente quanto ele renderá ao fim de um período.

A única ressalva é que em parte dos investimentos a liquidez não é diária, ou seja, você não pode sacar o dinheiro quando quiser.

Investimentos pré fixados

Os investimentos pré fixados podem render uma quantia muito satisfatória, porque o rendimento máximo deles pode ser maior que a inflação sem você correr risco de perder dinheiro. Você já investe sabendo quanto a aplicação renderá.

Se você está familiarizado com o conceito de inflação, sabe a importância de manter o rendimento de seu patrimônio à frente deste fenômeno. O aumento da inflação significa diminuição do poder de compra do seu dinheiro. 

Uma quantia de dinheiro guardada num cofre, por exemplo, permanece inalterada ao longo dos anos. Mas se não estiver rendendo, seu valor fica efetivamente menor à medida que cresce a inflação.

Apesar de não oferecerem a facilidade de resgate da caderneta, estes investimentos costumam ser a melhor opção para multiplicar seu patrimônio. Conheça-os:

Tesouro Direto

Através desse tipo de aplicação, o investidor compra partes da dívida pública. Se você é um investidor iniciante, vale a pena investir no Tesouro Direto. 

O tesouro oferece diferentes modalidades de investimento, para quem deseja aplicar seu dinheiro a médio e longo prazo.

Certificado de Depósito Bancário (CDB)

De maneira similar ao Tesouro Direto, o Certificado de Depósito Bancário permite ao investidor iniciante adquirir títulos de dívida privada. Suas taxas de rendimento são semelhantes às do Tesouro, mas podem ser um pouco maiores.

Assim como ocorre com o dinheiro investido no Tesouro Direto, as aplicações em forma de CDB têm um período de carência para o resgate.

Recibo de Depósito Bancário (RDB)

Similar ao CDB, o Recibo de depósito Bancário é um título de renda fixa de baixo risco emitido por instituições financeiras.

As aplicações também possuem um período de carência, que pode ser curto, médio ou longo, e não podem ser resgatados antes desse prazo.

Letra de Câmbio (LC)

Também emitido por instituições financeiras, a Letra de Câmbio é um investimento de renda pré-fixado.

Em resumo, você empresta dinheiro às financeiras, que te devolvem o valor total com juros ao final de um período. Normalmente, as LCs pagam maiores taxas, mas oferecem riscos um pouco maiores.

Letra Financeira (LF)

A Letra Financeira funciona como a LC: é um investimento de renda fixa utilizado por instituições financeiras para obter recursos (ou seja, dinheiro) para utilizar a longo prazo.

É uma opção interessante para quem busca ter lucro a longo prazo. O valor da aplicação é mais alto, mas seu rendimento compensa. 

Diversificação de investimentos

Todas as formas de guardar dinheiro oferecem suas vantagens e desvantagens. Cabe ao investidor decidir qual a melhor forma de aplicar seu dinheiro.

Vimos que poupar é ideal para pequenas quantias guardadas para fins de emergência, por exemplo. Os pré-fixados oferecem mais flexibilidade ao investidor, e proporcionam ganhos líquidos superiores à inflação.

Em muitos casos, o cliente sentirá a necessidade de ambos os tipos de aplicação. Essa é uma prática saudável, que garante ao investidor mais segurança através da diversificação de seu leque de investimentos.

O mais importante é ter uma boa educação financeira, prestar atenção a todas as informações e buscar sempre a melhor opção de investimento. Pegue sua calculadora e mãos à obra!