O salário mínimo foi reajustado para esse ano e está valendo desde 1º de janeiro. Além de ser a base salarial em todo o país, esse valor também afeta outros setores da economia.

Definido em  R$ 1.212, o salário mínimo de 2022 foi baseado em uma estimativa do que seria a média do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de 2021, mas acabou ficando abaixo do índice oficial.

Entenda como o reajuste do salário mínimo afeta a economia brasileira e o que isso mexe no seu bolso.

O que define o salário mínimo?

O salário mínimo brasileiro corresponde ao piso salarial mínimo de empregos registrados na CLT, considerando o valor por hora, dia e o total mensal.

A base salarial brasileira é a média decretada a todo o país, mas isso não impede que os estados tenham autonomia para oferecer uma base maior que a decretada pelo Governo Federal. 

Em 2022, os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul seguirão medidas estaduais para a definição do piso salarial. 

Em alguns estados, é previsto que o valor não tenha alteração, mantendo os valores de 2021. Confira como os estados estão definindo o valor do salário mínimo clicando aqui.

O que é o índice INCP?

O reajuste do salário mínimo em 2022 foi feito a partir da estimativa do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de janeiro a novembro de 2021, que ficou em 10,02%.

O valor do INPC pega a inflação do ano anterior e define a correção do poder de compra com o salário mínimo. O cálculo soma as médias da inflação de cada mês do ano anterior e chega ao valor da inflação acumulada daquele ano.

Ou seja, o cálculo só pode ser feito após o último dia do ano, incluindo os valores atingidos nos últimos 12 meses.

Essa conta pode parecer um pouco confusa para quem não entende de economia. Caso não entenda bem, é possível consultar a Calculadora do Cidadão, uma ferramenta que mostra exatamente como é feito o cálculo do INCP e também outros índices que afetam o nosso bolso. 

Na definição do salário mínimo, o Governo Federal utiliza uma estimativa do que será o INCP, já que a data oficial do índice acontece alguns dias depois da divulgação do salário mínimo.

Sendo assim, o reajuste pode ficar um pouco abaixo ou acima do INCP oficial. Em 2022, o valor do salário mínimo ficou abaixo do índice, que oficialmente ficou em 10,16%.

O que mais é afetado pelo reajuste do salário mínimo?

Além do valor do próprio salário mínimo para quem o recebe, o reajuste também afeta outras áreas da economia brasileira, como os benefícios do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e o imposto do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS), pago por Microempreendedores Individuais.

Reajustes em benefícios do INSS

Os benefícios do INSS acompanham a taxa de reajuste do salário mínimo no Brasil e também terão aumentos. 

Os primeiros pagamentos foram feitos a partir de 25 de janeiro e seguiram até 7 de fevereiro, para aqueles que recebem um salário mínimo como benefício.

Para os segurados que recebem um valor maior que o piso salarial nacional, os pagamentos reajustados foram creditados a partir de 1 de fevereiro.

Nesses casos, o reajuste não acompanha o salário mínimo, mas o INCP de 2021, de 10,16%.

Ou seja, se o assegurado recebe R$ 2.000,00 todo mês, com o reajuste de 10,16% ele passa a receber R$ 2.203,20. O reajuste é feito com o valor atual do benefício recebido + o INCP atualizado.

Reajustes no MEI

O DAS, imposto pago por Microempreendedores Individuais (MEI) acompanha os reajustes do salário mínimo. Por tanto, a contribuição base vai de R$ 55 para R$ 60,60.

Para quem exerce atividades ligadas ao comércio e indústria é adicionado R$ 1 a mais, em referência ao ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Para os prestadores de serviço enquadrados como MEI, são adicionados R$ 5 a mais, referente ao ISS (Imposto sobre Serviços). 

Qual a diferença do salário atual para o anterior?

Em 2021 o salário mínimo brasileiro foi de R$ 1.100, um aumento de 5,26% em relação ao piso de 2020, de R$ 1.045.

Já para a definição de 2022, o salário mínimo teve um aumento de R$ 112. Sendo assim, o valor-hora e a diária também aumentaram. Agora, todo trabalhador deve receber ao menos R$ 5,51 por hora trabalhada ou R$ 40,40 por dia trabalhado. 

Os valores finais podem variar com o regime de horas de cada função, entre 6 e 8 horas por dia, se tem adicional noturno, adicional insalubridade ou se trabalha mais de cinco dias por semana.

Qual poder de compra o brasileiro tem com este valor?

O poder de compra é um conceito utilizado por economistas para definir o que é possível comprar com determinada quantidade de dinheiro.

Assim como a inflação e outros índices podem aumentar ou abaixar os preços de produtos e serviços, o valor do salário deve acompanhar essas mudanças.

Porém, nem sempre esse cálculo é feito exatamente assim. Isso significa que, mesmo que o salário mínimo aumente, ele pode não acompanhar a inflação, o que não aumenta o poder de compra.

O salário mínimo de 2022 teve o maior reajuste dos últimos seis anos, mas isso não aumentou o poder aquisitivo do trabalhador. Com a alta da inflação, o poder de compra em 2022 acaba fechando em queda.

Para ser mais simples, basta comparar o quanto se gastava com o supermercado e contas do mês há alguns anos e o quanto se gasta hoje. Se hoje você consegue comprar mais coisas com o mesmo valor, então o seu poder de compra está acima da inflação.

Mas se você compra menos pelo mesmo preço, ou paga até mais caro, o poder de compra está abaixo da inflação e seu dinheiro vale menos.

Isso também acontece porque os índices de cálculo são diferentes. Os cálculos do salário mínimo acompanham o INPC, mas esse não é o índice que define outros pontos do poder de compra. O acompanhamento da inflação, por exemplo, é feito pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPCA)

Já o índice que calcula o poder de compra do brasileiro é baseado pelo Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M). Esse é o mesmo índice que fez a correção do valor do aluguel residencial, e agora será substituído pelo Índice de Variação de Aluguéis Residenciais (IVAR).

Afinal, esse foi um bom reajuste para o salário mínimo?

Embora esse seja o maior aumento do salário mínimo nos últimos anos, o seu reajuste pode não ter uma grande diferença para o dia a dia do trabalhador.

Um dos motivos para isso é justamente a alta do IGP-M. Em 2022, ele está em alta de 17,47%, bem acima do ajuste do salário mínimo. 

No dia a dia é possível sentir essa diferença ao pagar pelos seguintes serviços que ficarão 17,47% mais caros:

  • Aluguel residencial;
  • Conta de energia elétrica;
  • Contas de telefonia;
  • Educação da rede privada;
  • Planos de saúde;
  • Preços de bens e serviços como matérias-primas utilizadas na produção agrícola, industrial e construção civil.

Tudo isso pesa no bolso e faz com que seja mais difícil equilibrar as contas no fim do mês. Mas, com organização e consciência financeira, é possível diminuir alguns gastos e até mesmo manter uma reserva de emergência.

Sabemos que isso pode parecer difícil de colocar em prática, mas estamos aqui para te ajudar a ter controle da sua vida financeira. Então, para manter as contas de casa e uma reserva de emergência, descubra como controlar os gastos pessoais em 2022.