No ano de 2020, o Brasil foi o país com maior número de golpes aplicados por meio da internet no mundo. É o que aponta a empresa de segurança digital Kaspersky, num relatório divulgado no início do ano de 2021.

 O documento revela que durante o primeiro ano da pandemia de COVID-19, criminosos aproveitaram as mudanças na rotina da população para extorquir seus dados através de mensagens de texto, e-mail e outros canais digitais.

Quando têm sucesso, estas práticas costumam resultar em inconveniências e prejuízos diversos.  Muitas vítimas sequer percebem a real natureza da situação ou, ao descobrir, omitem o ocorrido por constrangimento.

Se você ainda não foi vítima de um golpe pela internet, isso não é motivo para descuidos. Ainda segundo a Kaspersky, o crescimento do número deste tipo de ataque foi de 120% no ano de 2020. 

Novas e velhas táticas são usadas a cada dia para fazer novas vítimas. Então o que você pode fazer para se proteger? A Afinz separou algumas informações úteis para te ajudar. Confira!

Golpes de extorsão de dinheiro pela internet

Os golpes de extorsão monetária são muito comuns no Brasil, e é cada vez mais difícil não conhecer alguém que já tenha sofrido, ao menos, uma tentativa de aplicação de algum deles. 

Separamos três modelos que, apesar das variações, costumam se apresentar nos mesmos conformes e vitimizar grandes números de pessoas todos os anos.

Fraudes com cartão de crédito na internet

Fraudes envolvendo cartões de crédito já eram comuns no passado, mas com o avanço da era digital encontram um banquete de novas oportunidades. 

Os golpes mais comuns envolvendo cartões de crédito envolvem o roubo dos dados do cartão de crédito da vítima, que então são usados para realizar compras e outros pagamentos através da internet.

Os criminosos apropriam-se de dados de cartão de crédito por meio de diferentes métodos, pretextos e plataformas. Nas mensagens de texto e instantâneas, destaca-se os golpes relacionados a transações bancárias. 

O golpista frauda contatos de bancos e operadoras de crédito sob falsos pretextos de cobrança, oferta de crédito ou outras questões burocráticas. 

Ao desviar o foco da vítima para o falso pretexto, os criminosos solicitam dados sensíveis como senhas, números de cartão de crédito, informações de validade do cartão, códigos de segurança, tokens de autenticação em 2 etapas (recebidos por SMS). A vítima, distraída pela situação, informa voluntariamente os dados.

Nas redes sociais, vê-se também um grande número de golpes que fraudam campanhas promocionais de grandes marcas oferecendo cupons de desconto ou até mesmo produtos grátis. 

Ao clicar no link, o usuário é redirecionado a um site fraudulento e através dele informa dados pessoais e bancários em falsos formulários de cadastro.

Em muitos casos, o usuário não descobre que foi vítima logo após o término da interação. Ele só irá ligar os pontos após algum tempo, quando finalmente perceber os lançamentos desconhecidos na fatura do cartão de crédito. 

Esta é outra situação em que a vítima deixa de buscar ajuda por constrangimento, preferindo simplesmente arcar com o prejuízo, bloquear o cartão por perda e solicitar uma nova via.

Se você ou alguém que você conhece pode estar passando por isso, busque ajuda imediatamente. Localize o número de telefone de emergências da emissora do seu cartão de crédito. 

Ele costuma estar localizado no verso do cartão, em letras miúdas próximo às bordas. Ao ligar para este telefone, você poderá relatar o ocorrido, estornar os valores gastos e solicitar o bloqueio do cartão clonado.

Golpe do WhatsApp

Este golpe não é novo, mas tem ganhado cada vez mais força à medida que avança a tecnologia de pagamentos digitais. Sua aplicação é complexa, pois geralmente envolve acessar a conta do WhatsApp de outra pessoa, necessitando de uma autenticação em 2 etapas com um token recebido por SMS.

Após acessar a conta, o golpista a utiliza para extorquir amigos, colegas e familiares da vítima. A transação costuma ocorrer da seguinte forma: o criminoso, passando-se pela vítima, inicia conversa com um contato de maneira despretensiosa. 

Em seguida, constrói uma falsa história de emergência ou situação similar, que termina num pedido de empréstimo de dinheiro.

As histórias construídas por estes golpistas também contam com a promessa de ágil devolução da quantia emprestada. 

Os criminosos relatam problemas pessoais, impossibilidade de acesso a serviços bancários e outros motivos pelos quais não podem realizar a transação por si mesmos. Finalmente, solicitam à vítima que realize transferências a contas de laranjas.

O nível de empenho e comprometimento do golpista influencia bastante a eficácia do método, mas sua prevalência nos relatórios de segurança digital e no arsenal dos criminosos sugerem que o Golpe do WhatsApp continua sendo um modelo lucrativo de estelionato digital.

Se você ou alguém que você conhece pode estar passando por algo parecido, recolha o máximo de evidências que puder (conversas, números de telefone usados pelo golpista, comprovantes de pagamentos e transferências bancárias, etc.) e busque ajuda policial imediatamente.

Golpe do Impostor

É o tipo de golpe que acontece quando uma pessoa mal-intencionada se passa por uma empresa ou organização — como um banco, operadora telefônica, órgão previdenciário ou empresa de cobrança de dívidas.

Quando o criminoso tem sucesso, a vítima pode voluntariamente expor dados pessoais, revelar informações confidenciais e até mesmo entregá-lo grandes quantias de dinheiro. 

Por pensar estar lidando com um procedimento rotineiro, a vítima costuma demorar para perceber o que de fato lhe aconteceu.

Uma medida muito importante para evitar cair neste tipo de golpe: permita-se questionar a legitimidade de qualquer contato telefônico, por mensagem de texto ou e-mail que não tenha sido iniciado por você e solicite seus dados pessoais, informações confidenciais ou valores em dinheiro.

Se possível, entre em contato com a empresa em questão através de um de seus canais oficiais e comunique o ocorrido para solicitar esclarecimentos. 

Lembre-se que estes golpes costumam ser aplicados em massa e não tenha medo de ignorar os contatos do impostor.

Se você ou alguém que você conhece pode estar passando por algo parecido, recolha o máximo de evidências que puder (conversas, números de telefone usados pelo golpista, comprovantes de pagamentos e transferências bancárias, etc.) e busque ajuda policial imediatamente.

Fui vítima de um golpe! O que fazer?

Se você foi vítima de um golpe pela internet, é possível que esteja se sentindo constrangido, frustrado ou abalado pela situação. 

Estes são sentimentos válidos e compreensíveis, mas é importante manter a calma ao lidar com o ocorrido. Assim, você garante a melhor solução para o problema.

No caso dos golpes de clonagem de WhatsApp, o primeiro passo é coletar o máximo de informações sobre a situação. 

Salve conversas, mensagens de texto, históricos de ligações, dados bancários das contas de destino das transferências, números de telefone usados pelo golpista, etc. Não esqueça de alertar seus contatos sobre o ocorrido.

Caso tenha sido vítima de fraudes com cartões de crédito, entre em contato com a emissora do cartão e informe-os da situação. 

Nessa central de atendimento, cujo telefone você normalmente encontra na traseira do cartão, os profissionais poderão te ajudar a identificar as transações suspeitas e estorná-las. 

Também através desse canal você poderá bloquear seu cartão e solicitar um novo.

Como denunciar crimes virtuais

Após coletar as informações e tomar todas as medidas necessárias para conter o problema, busque ajuda policial e jurídica. 

Você foi vítima de um crime e, portanto, deve registrar um boletim de ocorrência. O boletim pode ser registrado online, mas se tiver a oportunidade ou achar necessário, busque comparecer pessoalmente à delegacia.

Uma boa opção para garantir a agilidade das investigações é buscar ajuda especializada através da Delegacia de Crimes Virtuais mais próxima da sua casa. 

Elas existem em menor quantidade do que as delegacias normais, mas terão mais preparo e melhores condições para lidar com o caso.

Para localizar delegacias de cibercrimes próximas a você, utilize a ferramenta de busca da SaferNet. Você pode usar o mapa para encontrar uma delegacia ou exibir listas de seus endereços por estado e região.

Como evitar golpes na internet

A atividade de grupos criminosos através da internet não significa que você precise ter medo de aproveitar as facilidades do mundo digital. 

Tomando algumas precauções básicas, você já estará seguro contra as vulnerabilidades mais comuns. Confira nossas dicas:

Tome cuidado com perfis falsos

Suspeite de estranhos que surgem de repente com promessas de dinheiro, amor, ou até mesmo amizade. 

Busque verificar as informações apresentadas pela pessoa, tente encontrar indícios de sua existência e fique atento a comportamentos estranhos como recusa a enviar novas imagens de si, falar por telefone ou videochamada, ou encontrar-se pessoalmente.

Não compartilhe informações confidenciais através da internet

Informações como senhas, códigos de segurança de cartões de crédito, números completos de cartão de crédito, CPF completo, entre outras, jamais serão solicitadas pelo seu banco ou empresa da qual seja cliente. 

Fique atento a contatos que solicitem estas informações completas, especialmente se o contato não foi iniciado por você, e não hesite em verificar a autenticidade do contato diretamente com a empresa em questão.

Verifique a reputação da loja em que está comprando

Antes de efetuar uma compra, verifique a reputação da loja através de plataformas de direitos do consumidor, como o Reclame Aqui

Cheque se a empresa é confiável, se tem lojas físicas e se responde aos problemas abertos por clientes no Reclame Aqui. Na dúvida, dê preferência às empresas e lojas conhecidas e confiáveis.

Use a tecnologia a seu favor

Muitas vezes, os dados de cartão de crédito são pessoalmente roubados. Isso acontece quando você entrega o seu cartão de crédito a um indivíduo mal-intencionado — ao realizar um pagamento, por exemplo —, que registra as informações do cartão e guarda para usar posteriormente. 

Uma boa forma de evitar esse tipo de situação é sempre fazer questão de manusear o seu próprio cartão.

Ao comprar online, especialmente em apps e sites que você não confia, busque usar serviços como o Visa Checkout, que permite que você cadastre seu cartão uma única vez em uma plataforma segura e use seu login da própria plataforma para realizar pagamentos em sites e serviços compatíveis. Assim, você economiza tempo e mantém os dados do seu cartão seguros.