Os juros são um dos conceitos mais comuns nas operações financeiras. Simples ou compostos, eles estão presentes em nossos investimentos e transações com crédito. 

Os juros podem ser amigos ou vilões do seu orçamento, e entender como eles funcionam é muito importante para ter uma vida financeira regular e saudável. 

Para entender melhor como tudo isso funciona, preparamos este artigo que te ensinará o que são juros simples e compostos e como calculá-los. Para descobrir, continue a leitura! 

O que são juros?

O mais importante é saber que os juros, em si, não são uma coisa boa nem ruim. Eles são simplesmente um conceito matemático de multiplicação de um valor total por uma taxa predefinida. Ou seja, essa quantia é como uma remuneração por emprestar dinheiro.

Quando você faz uma compra parcelada, por exemplo, a instituição financeira está na verdade emprestando um dinheiro, porque paga o vendedor integralmente e você só paga as parcelas a este banco ou financeira.

Investimentos funcionam de uma forma parecida: quando você faz qualquer tipo de investimento, está emprestando seu dinheiro a terceiros com a promessa de receber em retorno uma quantia maior do que a inicial. 

Os juros que rendem os seus investimentos são a sua compensação pelo empréstimo dessa quantia .

Diferença entre juros simples e compostos

Como já explicamos, os juros são obtidos através da multiplicação de um valor total por uma taxa predeterminada. A diferença entre os juros simples e compostos está no capital que se multiplica pela taxa.

A palavra Capital, quando falamos desse assunto, significa a quantia de dinheiro sobre a qual serão aplicados os juros.

No caso dos juros simples, o capital é fixo e os juros são sempre calculados sobre ele. Para os juros compostos, o capital é atualizado para incluir os valores gerados em juros ao longo de meses ou anos.

Os juros simples normalmente aparecem em compras parceladas, empréstimos para aquisição de veículos etc. Estes juros sempre são calculados de acordo com o valor da dívida inicial. Neste caso, o valor da dívida inicial é o próprio capital.

Os juros compostos normalmente são aplicados a investimentos de renda fixa ou variável, como a poupança, e também em dívidas como empréstimos, crédito rotativo etc.

Estas dívidas são atualizadas periodicamente para incluir o valor dos juros acumulados, aumentando sempre o rendimento.

Fórmula para calcular juros simples

Os juros simples podem ser calculados a partir da seguinte fórmula:

J = C × i × t

Sendo que:

  •  J = os juros resultantes da aplicação;
  • C = capital inicial da aplicação;
  • i = taxa de juros (em %);
  • t = tempo da aplicação, que costuma ser mensal ou anual.

Para facilitar, vamos utilizar um exemplo: você empresta R$2.000,00 a um amigo. Ele promete devolver o valor em 3 meses, com juros de 12% ao mês.

Utilizando o cálculo acima, podemos descobrir quanto você receberá de volta ao final dos dois meses. Perceba que já temos todas as variáveis:

C = 2000

i =  12% = 12/100 =  0,12

t = 3

Agora só precisamos fazer o cálculo:

J = 2000 × 0,12 × 3

J = 720

Ou seja: seu amigo pagará R$720 em juros pelo empréstimo, resultando num total de R$2.720,00 no ato da devolução.

Fórmula para calcular juros compostos

No cálculo dos juros compostos, o capital é atualizado ao final de cada periodicidade (mensal ou anualmente, de acordo com a taxa) para incluir os valores gerados por juros.

Entenda melhor com a fórmula:

M = C × (1 + i)t

Sendo que:

  • M = montante, isto é o capital inicial mais os juros;
  • C = capital inicial;
  •  i = taxa de juros (em %);
  • t = tempo de capitalização.

Vamos ao exemplo: suponha que seu amigo pegue  emprestado os mesmos R$2.000,00, desta vez para pagar em 1 ano (12 meses), com um acréscimo de 10% ao mês em juros compostos.

Vejamos as variáveis:

C = 2000

i = 10% = 10/100 = 0,1

t = 12

Observe que a variável de tempo é calculada de acordo com a periodicidade da taxa. Ou seja, se a taxa é de 10% ao mês, ela é mensal. Logo, o tempo deve ser medido em meses. No caso do exemplo, o tempo de capitalização é de 12 meses, o equivalente a um ano.

Agora vamos calcular:

M = 2000 × (1 + 0,1)12

M = 2000 × (1,1)12

M = 2000 × 3,13

M = 6260

Agora que temos o resultado, é fácil descobrir quanto deste valor é constituído por juros: basta subtrair o capital inicial (C) do montante (M). Veja a fórmula:

J = M – C

Logo, a quantidade de juros paga pelo amigo no exemplo pode ser calculada da seguinte maneira:

J = 6260 – 2000

J = 4260

O valor pago em juros é R$4.260,00.

Como usar os juros a seu favor?

Como você pode ver nos exemplos, o tipo de juro, o valor da taxa, o tempo de capitalização e o capital inicial podem impactar o resultado do cálculo de juros.

Os juros podem trabalhar para você ou contra você, isso depende da forma como você vai  utilizá-los. Para garantir que você utilize os juros da melhor forma possível, trouxemos duas importantes dicas. Confira:

Controlando suas dívidas

Quando você pega dinheiro emprestado, é natural e justo que pague juros sobre a transação, afinal, alguém está concedendo dinheiro a você por um período e merece ser compensado por isso.

Mas é importante que você tenha consciência das taxas de juros das suas dívidas para garantir que você esteja tomando a melhor decisão para a sua saúde financeira.

Confira as dicas da Afinz para controlar suas finanças e estar sempre em dia com a sua saúde financeira.

Investindo seu dinheiro

Os juros são uma poderosa ferramenta para multiplicar seu dinheiro. É através deles que os seus investimentos retornam lucro a você: é o pagamento pelo empréstimo que você concedeu a um terceiro.

Ao aplicar seu dinheiro em investimentos de renda fixa, busque conhecer as taxas de juros e faça os cálculos para descobrir quanto seu dinheiro renderá ao fim do tempo de aplicação. Assim, você pode escolher aplicar seu capital no investimento com maiores juros.Confira as dicas da Afinz para investir seu dinheiro e garantir sua segurança financeira.