A crise provocada pela pandemia do COVID-19 impactou muitas indústrias ao redor do mundo. Dentre elas, uma das mais afetadas foi a do turismo. Após mais de um ano vivendo essa nova realidade, as estatísticas são impressionantes e assustadoras.

As restrições de mobilidade e recomendações de distanciamento social causaram um prejuízo que facilmente ultrapassa a casa dos trilhões de dólares. Além disso, a baixa demanda por produtos, serviços e experiências impactou negativamente o mercado de trabalho, afetando mais de 100 milhões de trabalhadores — especialmente em pequenos e médios negócios.

Reaquecer a indústria do turismo deve ser uma grande preocupação para países emergentes em busca de recuperação econômica no pós-pandemia. Isto porque esse setor fomenta a injeção de dinheiro estrangeiro na economia, gera novos empregos e fortalece cadeias de produção e distribuição.

Quando pautado nos valores adequados, o turismo proporciona prosperidade econômica enquanto preserva o patrimônio histórico, natural e cultural.

Após tantos meses de circulação reduzida, e conforme avançam as campanhas de vacinação, populações do mundo inteiro começam a sonhar com suas próximas viagens e passeios — para compensar o tempo perdido e comemorar a vitória contra o vírus.

A indústria do turismo se prepara para esse retorno, e já retomou suas atividades em alguns locais, mas as novidades do mundo pandêmico devem continuar presentes por um bom tempo.

A nova realidade do turismo: planejamento, flexibilidade e segurança

Com tanto tempo em casa, a tendência é que os próximos viajantes se planejem com mais antecedência, detalhamento e atenção. Fatores levados em consideração incluem ciclos de vacinação e políticas de segurança sanitária em aeroportos e fronteiras.

A carteirinha de vacinação também deve marcar presença nas atividades cotidianas por mais algum tempo: restaurantes, bares, aeroportos e outros estabelecimentos já estão utilizando esse documento para garantir a segurança de todos em suas dependências. Felizmente, ela está disponível em formato digital, e pode ser acessada através do app Conecte SUS.

Do lado do cliente, vemos uma atenção maior a políticas de cancelamento e reembolso transparentes, flexíveis e menos burocráticas. Isso porque muitos turistas tiveram seus planos alterados ou impedidos por causa da pandemia, e encontraram grandes dores de cabeça na hora de cancelar suas reservas ou solicitar reembolso de despesas.

Mesmo após a conclusão das campanhas de vacinação em massa, espera-se precisar manter medidas de biossegurança e distanciamento social por um bom tempo.

Isso significa que ainda veremos políticas de controle de aglomeração, portanto, as reservas em hotéis, restaurantes e outros estabelecimentos devem permanecer necessárias para quem não quer correr o risco de perder o passeio.

O que posso esperar dos preços?

A pandemia prejudicou muitos setores da economia, e o turismo foi um deles. Com o congelamento total da maioria de suas atividades, os trabalhadores e empresários da indústria do turismo precisaram encarar tempos bastante difíceis.

A baixa movimentação desaquece mercados, enfraquece cadeias de produção e torna insustentável a prestação de muitos tipos de serviço. Por isso, espera-se ver uma mudança nos hábitos turísticos de boa parte da população. 

Com menos renda sobrando, os viajantes devem estar mais sensíveis a preços e mais atentos a descontos e promoções.

Para onde posso ir gastando pouco?

Outra tendência esperada para o turismo pós-pandemia é a opção de mais viajantes por destinos dentro do próprio estado ou país.

Além de reduzir gastos, as viagens domésticas também são uma opção para quem quer evitar aglomerações, pois oferece mais opções de deslocamento até o destino, como o carro pessoal.

Viagens mais curtas também devem marcar presença nos roteiros da população, especialmente viagens de 1 dia a lugares próximos, cortando assim as despesas de estadia.

Num país rico em culturas, história e belezas naturais como o Brasil, esse tipo de turismo é muito atrativo, principalmente por ser viável em fins de semana e feriados.

Cortando custos

Apenas com a hospedagem e deslocamento durante a viagem, os gastos podem rapidamente acumular. Com o valor dos hotéis, das passagens aéreas e do litro da gasolina, é fácil sacrificar o orçamento todo. E se o orçamento for limitado, as suas opções podem acabar bastante reduzidas, não é?

Mas esse não precisa ser o caso. Com algumas estratégias simples, você consegue elaborar o roteiro dos sonhos gastando menos do que imagina.

Economizando no deslocamento

Começando pelo deslocamento, não hesite em designar um bom tempo para comparar os custos de cada opção. Viajar de carro pode custar mais ou menos do que fazer o mesmo trajeto de avião. Tudo depende da quantidade de passageiros e da distância de deslocamento.

Agregadores de passagens aéreas como o Decolar.com são uma ótima forma de comparar os preços entre diferentes companhias, mas eles nem sempre mostram todas as opções disponíveis.

O ideal é ficar de olho também nos sites de companhias aéreas. Se você está comprando a passagem perto da data de viagem, pode encontrar promoções relâmpago nos sites. Essas ofertas não costumam ser registradas pelos serviços agregadores de preços, então esteja atento!

Se você vai viajar com amigos, considere usar um único carro (quando possível). Dividindo a gasolina, você economiza na viagem e garante que a aventura já comece quando colocar o pé na estrada.

Economizando na hospedagem

Com a hospedagem não é diferente: usar ferramentas agregadoras é uma boa estratégia para entender os padrões de preços do local de destino. Eles oferecem uma forma fácil de comparar as facilidades e o custo-benefício de cada opção de hospedagem.

Apesar disso, essas ferramentas costumam estar restritas a alguns tipos de hospedagem, como hotéis e pousadas. Outro problema é que há mais opções de hotéis e pousadas do que linhas aéreas.

Por isso, é normal que os serviços agregadores de preços para hospedagem não listem todas as opções dentro de cada categoria.

Usando ferramentas como o Google Maps você consegue localizar e contatar hotéis e pousadas menores. Muitas vezes, esses locais oferecem uma experiência mais personalizada por um preço mais acessível do que concorrentes de grande porte.

Se você vai viajar com amigos ou tem uma família grande, o aluguel de casas particulares também é uma boa ideia. Essa opção permite que você encontre algo dentro do seu orçamento e tenha total privacidade para curtir bons momentos em boa companhia.

Você pode alugar casas particulares por curtos e médios períodos de tempo. Quando a viagem é em um grande grupo, esse tipo de hospedagem abre um leque de possibilidades de lazer e diversão. Imagina ter uma churrasqueira, piscina e uma bela vista só para você?

Faça uma pesquisa prévia e conheça suas opções para esse tipo de estadia no local de destino. Serviços como o internacional AirBnB e o brasileiro AnyLife oferecem total segurança e tranquilidade na hora de alugar uma casa particular, com preços bastante em conta quando comparados aos de um hotel.

Custeando a viagem

Se você está se programando com antecedência para uma viagem, pode poupar dinheiro para amortizar os maiores custos. Mas nem sempre as viagens ocorrem com o maior planejamento, não é?

Uma boa opção para viabilizar aquela viagem especial é usar seu cartão de crédito. Com um pouco de organização, você garante o passeio sem precisar encarar os custos de uma só vez. O importante é ter responsabilidade e ser franco consigo mesmo.

O ideal é que o limite consumido pela viagem não possa fazer falta durante o período em que estiver pagando por ela. Também é importante observar as condições de parcelamento.

Parcelando em menos vezes, você evita o acréscimo dos juros, mas tome cuidado ao definir o valor da parcela. Escolha o maior valor que puder pagar sem comprometer sua saúde financeira.

Se você já tem o cartão Afinz Visa, é só fazer as contas e se planejar. Se ainda não tem, entre em contato e solicite o seu! Ficaremos honrados de fazer parte da realização dos seus sonhos.

A importância do turismo na recuperação econômica

As medidas de isolamento e distanciamento social foram cruciais para controlar o índice de novas infecções pelo Coronavírus. Apesar de necessárias, essas estratégias deixaram fragilizadas muitas economias — em especial, aquelas primariamente movidas pelo turismo.

Na hora de planejar o roteiro da sua próxima viagem, leve esse fator em consideração. Visitar essas comunidades pode ser sua oportunidade de evitar aglomerações, conhecer destinos menos populares e, assim, agregar mais valor à experiência.

Além de saber que seus gastos contribuirão diretamente para recuperar a economia local, você ajuda a garantir que essas comunidades possam continuar vivendo do turismo — preservando e celebrando suas heranças naturais, culturais e históricas.

Turismo alternativo: como evitar lugares com aglomerações

Como resultado das recomendações de distanciamento social, deve crescer a procura por destinos alternativos. Se por um lado as políticas de segurança sanitária em aeroportos e fronteiras dificultam a viagem ao exterior, por outro devemos ver um grande aumento do turismo dentro do próprio país.

Deve crescer a busca por destinos com menor fluxo de visitantes e mais contato com a natureza, e o setor turístico já se prepara para essa nova demanda. Agências de viagem, hotéis, pousadas e resorts estão recorrendo a experiências personalizadas, pensando na saúde e segurança dos hóspedes.

Além disso, muitos viajantes devem optar pelo turismo independente, buscando o distanciamento social, a diminuição de despesas e a exclusividade da experiência.

Turismo independente: pegue seu carro e seja feliz

O turismo independente é aquele em que o viajante elabora seu próprio roteiro de viagem, faz suas reservas, coordena seus passeios e fica responsável pelo próprio deslocamento.

Este tipo de turismo se torna muito atrativo no momento pós-pandêmico, pois o viajante estará mais interessado em controlar sua exposição a riscos e evitar burocracias.

Além disso, o turismo independente também é a opção de quem quer ter maior controle sobre o roteiro da viagem, eliminando experiências nas quais não tem interesse e acrescentando outras que fogem dos padrões de turismo de massa. 

Outra grande vantagem dessa forma de turismo é que ela torna mais fácil estender (ou encurtar) estadias, alterar planos e até mesmo destinos. É uma tendência natural num mundo em que as pessoas buscam por experiências cada vez mais personalizadas.

Por último, a independência e praticidade desse tipo de turismo faz dele uma opção difícil de descartar, mesmo pelas pessoas que ainda planejam viajar por meio de agências.