Já comentamos sobre a importância de ter um planejamento financeiro pessoal, mas quando se trata de uma empresa, isso se torna ainda mais necessário.

Cuidar de uma empresa não é tarefa fácil, principalmente da parte financeira dela. Quando se é autônomo, a organização neste âmbito é ainda mais necessária.

O planejamento financeiro empresarial é diferente do pessoal, pois envolve cálculos de fornecedores, clientes, custos de produção e de serviços. 

Além disso, cada negócio tem particularidades diferentes, então o planejamento precisa ser personalizado. 

Entenda como começar a organizar as finanças da sua empresa e os benefícios dessa prática!

Importância do planejamento financeiro para autônomos

Todas as pessoas precisam de organização financeira, autônomos ou não. Entretanto, quem trabalha para si mesmo deve ter uma atenção especial nesse sentido. 

O regime CLT garante uma série de direitos trabalhistas como renda fixa, suporte em casos de demissão, vales para refeição e transporte e até mesmo a contribuição da previdência. O profissional autônomo não tem nada disso garantido.

Por isso, é essencial que você tenha planejamento financeiro, tanto na vida profissional quanto na pessoal. Assim, poderá manter uma renda satisfatória e aproveitar os frutos do seu trabalho. 

4 pilares de um bom plano financeiro

Se você não tem nenhum tipo de planejamento financeiro, vai precisar de bastante foco nas primeiras etapas, principalmente para colocar tudo em dia.

Porém, vale a pena o esforço inicial, pois a organização das finanças te ajuda a ter uma visão geral de como anda a empresa — o que dá lucro, o que não vale a pena manter e novas oportunidades.

É hora de arregaçar as mangas, reunir a equipe (caso tenha uma), e colocar tudo no papel, cada detalhe importa. 

Veja quais são os 4 pilares fundamentais para uma organização financeira bem-sucedida. 

1. Não misture suas finanças pessoais com as da sua microempresa

É muito comum vermos casos de autônomos que confundem as finanças pessoais e as da empresa. Esse é o principal erro que deve ser evitado a todo custo. 

Porque quando você usa o dinheiro da empresa para coisas fora dela, não vai nunca ver o lucro, além de não ter caixa para investir no crescimento do seu negócio. 

A confusão é enorme, e além de prejudicar o desenvolvimento da empresa, pode até afetar os impostos, na hora de declarar a renda ao governo. 

2. Mantenha seu CPF e CNPJ sempre em dia para conseguir crédito

Manter em dia significa quitar as dívidas atrasadas, cobranças antigas ou problemas desse tipo, se tiver. Isso vale para suas contas pessoais e profissionais. 

Para quitar, negocie os débitos em feirões ou diretamente com as empresas de cobrança, que costumam oferecer condições mais vantajosas. 

Manter o CPF e o CNPJ limpos é um passo importante por te dá maior credibilidade no mercado financeiro, o que possibilita empréstimos e vantagens junto aos bancos, o que é ótimo para o seu negócio. 

3. Tenha uma reserva de emergência para sua empresa

Procure ter sempre uma reserva de emergência em um valor que mantenha a empresa funcionando por alguns meses. Pode parecer que não é tão importante, mas apenas quando você precisar é que vai ver como é impossível ficar sem dinheiro guardado. 

Em um momento de crise, isso pode ser a diferença entre precisar fechar a empresa ou conseguir continuar aberta e se recuperar. 

Mesmo que você tenha seguro contra roubos, furtos ou acidentes, não deixe de fazer uma reserva. É preciso estar preparado para todas as situações.

4. Não gaste mais do que fatura, mesmo que seja em prol da empresa

Quando vemos um aumento nos lucros, é sempre animador, certo? Nessas horas é muito tentador gastar mais dinheiro em melhorias, com a esperança de que no próximo mês virá a mesma quantidade. 

Porém, isso é muito arriscado, pois imprevistos acontecem e podem acabar te impedindo de pagar, o que vai sujar seu nome e deixando dívidas para a empresa. 

Se tem planos grandes (e caros) para o empreendimento, é mais indicado juntar o dinheiro antes, para aí sim, investir. Dessa forma, não existe o risco de ficar inadimplente. 

Como criar o planejamento financeiro do autônomo / MEI

Agora que já sabe o quanto é importante ter um planejamento financeiro, entenda como começar. Algumas dicas podem te ajudar nesse processo. 

Primeiro, escolha como vai se planejar. Pode ser da forma que se adaptar melhor, em uma planilha, aplicativo ou até mesmo utilizando um caderno, ou agenda. Indicamos o digital, pois é mais fácil de acessar em qualquer lugar. 

É bom ressaltar que essas dicas valem até mesmo se você conta com o apoio de algum profissional de contabilidade. Como dono, você precisa estar a par do que acontece nas finanças para traçar planos de crescimento.

Veja um passo a passo para começar um planejamento financeiro empresarial que se encaixa nos planos do seu negócio. 

Tenha mapeada toda a sua receita

É essencial saber exatamente o quanto a empresa fatura mensalmente. Quando falamos em receita, é sobre a bruta (total) e a líquida (o que resta após pagar as contas).

É importante saber esses valores para entender o que é mais lucrativo para a empresa, ou seja, no que vale a pena investir, e o que gera mais custos do que faturamento e pode ser cortado. 

Se você sabe exatamente onde o dinheiro vai, pode organizar melhor as prioridades e enxergar oportunidades de negócio. 

Tenha mapeado todos os seus custos fixos e variáveis

Na hora de anotar os lucros, também anote todos os gastos. Assim você vai saber o que acontece com cada centavo que entra e sai do caixa da empresa.

Separe os gastos entre fixos e variáveis. Fixos são aqueles que não mudam nunca, como, talvez, o valor das taxas pagas ao governo mensalmente. 

Variáveis são os que mudam de tempo em tempo. Podem ser os custos de materiais, por exemplo. 

Esses custos mudam de acordo com o tipo da empresa, por isso é importante que você faça o planejamento, pois conhece o empreendimento melhor que ninguém. 

Seja responsável com o seu lucro

Sua empresa está faturando bem? Isso é ótimo, mas com bons lucros vem a responsabilidade de gastar com as coisas certas. 

Claro, você pode e deve se recompensar pelo bom trabalho, mas não saia gastando como se não houvesse amanhã. Continue guardando e investindo em melhorias e crescimento para sua empresa. 

Um bom planejamento financeiro sempre pensa no futuro, com responsabilidade. É assim que as grandes empresas ficam no mercado!

Mantenha um histórico 

Não dá para descobrir se a sua empresa está crescendo financeiramente se você não tem dados para comparar. Por isso, é bom ter um histórico.

Ele pode ser digital ou analógico, o importante é que na medida que você anote tudo o que acontece nas finanças do negócio, esses arquivos fiquem guardados em um lugar seguro. 

Assim, sempre terá como comparar o desempenho e os lucros da empresa, são dados importantes na hora de tomar grandes decisões!

Estabeleça metas

A melhor forma de se manter motivado no planejamento financeiro é com objetivos. Assim, você sempre terá razões para continuar focado. 

Essas metas podem ser pequenas ou grandes, o mais importante é que você crie planos de ação para alcançar cada uma delas no período que escolher.

E a melhor parte é revisitar essas metas de tempos em tempos, ver que foram cumpridas e perceber o quanto o planejamento financeiro é essencial para o sucesso da sua empresa e sua vida pessoal!